sábado, 25 de dezembro de 2010

DSS e APS

Artigo publicado em 2009 fala das necessidades para que a APS intereja e atinja os Determinantes Sociais de Saúde:O crescente enfoque sobre as desigualdades na saúde trouxe renovada atenção para dois discursos políticos afins - cuidados de saúde primários e os determinantes sociais da saúde. Ambos priorizam a equidade na saúde e também promovem uma visão ampla de saúde, ação multissetorial e a participação das comunidades “empoderadas”. As diferenças surgem na lente que cada um aplica ao setor da saúde, com as tensões resultantes em torno de sua capacidade para moldar os sistemas de saúde e abordar os determinantes sociais. No entanto, queixar-se dessas limitações de abordagem é improdutivo. Os serviços de saúde que não conscientemente, almejam os determinantes sociais agravarão as desigualdades na saúde. Se uma atenção primária renovada é o meio-chave para organizar a sociedade minimizando as desigualdades na saúde, a ação sobre os determinantes sociais tem de ser uma das estratégias centrais. O sucesso na redução das desigualdades de saúde vai exigir garantia de que o foco amplo de atenção primária à saúde e os determinantes sociais seja mantido principalmente na política - em vez de a experiência histórica comum de esforços que estão sendo limitada a uma parte do sector da saúde.

Artigo original: Publicado originalmente em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com/
Feliz Natal :-)

Primary health care and the social determinants of health: essential and complementary approaches for reducing inequities in health.


sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

UFMG - Curso de Especialização Atenção Básica e Saúde da Família (Nescon)

http://www.nescon.medicina.ufmg.br/agora/noticias/wp-content/themes/default/images/kubrickheader.jpg

Saúde da Família na UFMG - breve mais um edital do CEABSF


Seleção 2011/1

No link abaixo, os interessados encontrarão todas as informações necessárias para efetuar sua inscrição para o Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família, oferecido pela UFMG. Em breve estarão abertas as inscrições para a 5ª turma do Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família (Ceabsf).

O curso destina-se a profissionais que estejam vinculados diretamente à estratégia de saúde da família em uma das seguintes condições: a) membro de equipe da estratégia Saúde da Família ou da estratégia de Saúde Bucal; b) coordenador ou gerente da estratégia Saúde da Família, Saúde Bucal ou Agente Comunitário de Saúde.

A coordenação do Programa Ágora, responsável pelo curso, recomenda aos interessados que se antecipem e reúnam a documentação necessária, além de acompanhar as notícias neste site:

http://www.nescon.medicina.ufmg.br/agora/noticias/wp-content/themes/default/images/kubrickfooter.jpg

Comunicação Nescon
(31) 3409-9790
comunicacao@nescon.medicina.ufmg.br


Publicado originalmente em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com/

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Mesa: MFC Graduação e Pós-graduação em MG (I Congresso Nordeste de MFC)

I Congresso Nordeste de MFC e III Congresso Cearense de MFC
Hotel Vila Galé, 09 a 11 de Dezembro de 2010.
Promoção: ACeMFC

Mesa: MFC no mundo: Graduação e Pós-graduação

Bruno Benevides (Coordenador)
Yves Talbot
Leonardo Savassi
Thiago Ponciano

MFC no mundo: Graduação e Pós-graduação em Minas Gerais
Ver mais apresentações de Leonardo Savassi.


Publicado originalmente em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com/

domingo, 12 de dezembro de 2010

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Palestra: Visita Domiciliar e Escala de Risco Familiar

Palestra Visita Domiciliar (e Escala de Classificação de Risco Familiar de Coelho-Savassi)

Proferida no I Congresso Nordeste de MFC e III Congresso Cearense de MFC.
Hotel Vila Galé, praia do Futuro, 09 a 11 de dezembro de 2010.

Confira:

Mesa: VISITA DOMICILIAR
Tatiana Monteiro Fiuza ( coordenadora)
Leonardo Savassi
Raquelly Braga
Denise Pontes





Veja também:

A Escala de Vulnerabilidade Familiar de Coelho Savassi e o eSUS/ SIS-AB


Padronização da Escala de Risco de Coelho-Savassi:




sábado, 4 de dezembro de 2010

Novas orientações da OMS: prevenção da tuberculose para as pessoas com HIV

Guidelines for intensified tuberculosis case-finding and isoniazid preventive therapy for people living with HIV in resourceconstrained settings

World Health Organization


As orientações mostram como as pessoas com HIV podem ser protegidos contra a tuberculose com regularidade, de baixo custo de medicação preventiva. A Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou uma nova linha-guia. Leia abaixo a press release (traduzida) da entidade:

1 de dezembro de 2010 GENEBRA - Crianças e adultos que vivem com HIV podem ser protegidos de uma das suas ameaças mortais - a tuberculose (TB) - com uma forma regular e de baixo custo de medicação preventiva, de acordo com as novas orientações lançadas hoje pela OMS. Dos quase dois milhões de mortes relacionadas à AIDS a cada ano, um quarto deles estão associados com a tuberculose.

Devido ao seu sistema imunológico enfraquecido, as pessoas que vivem com HIV são menos capazes de combater a infecção da TB e são mais propensos a desenvolver uma tuberculose ativa, que pode ser fatal e pode ser transmitida a outros. Em algumas comunidades, até 80% das pessoas com TB tem teste positivo para HIV. Tomar medicamentos que contenham a isoniazida, uma drogas anti-TB é uma medida simples e de baixo custo que impede que a bactéria da tuberculose se torne ativa se ela estiver presente. Conhecida como Terapia Preventiva com Isoniazida (IPT), o método de tratamento não é nova, mas para uma variedade de razões, é subutilizado. Apenas 85 000 (ou 0,2%) de todas as pessoas vivendo com HIV receberam isoniazida para a prevenção de tuberculose em 2009.

"Ao comemorarmos o Dia Mundial da SIDA, é evidente que a gestão do HIV deve incluir o combate à TB", disse Gottfried Hirnschall, Diretor do Departamento de HIV / AIDS da OMS . "Precisamos de implementar plenamente a estratégia dos três I's para o HIV / TB em colaboração com todos os parceiros. Os três I's são Terapia Preventiva com Isoniazida, intensificar triagem da tuberculose e de controle de infecção por TB. Essas medidas devem ser entregues como parte de serviços abrangentes de HIV."

As principais recomendações: as diretrizes são baseadas em novas provas científicas que atualizam a política anterior de 1998. As principais recomendações são:

• Todas as crianças e adultos que vivem com o HIV, incluindo mulheres grávidas e pessoas que recebem tratamento anti-retroviral, devem receber tratamento com isoniazida preventivo.
• A isoniazida deve ser prescrita de seis a 36 meses, ou como um tratamento de longa duração em ambientes com o HIV e alta prevalência de TB.
• Pessoas vivendo com HIV, que podem ter sintomas da tuberculose deve ser mais triados para TB ativa ou outras condições para que eles possam ter acesso a tratamentos adequados.

"Em muitos países, o HIV é um dos principais motores da epidemia de TB. Tuberculose é evitável e curável e as novas diretrizes mostram como romper a cadeia que liga TB e HIV, levando à morte", disse Mario Raviglione, diretor do Departamento Stop TB da OMS. "Todos os países e as comunidades precisam para implementar as novas orientações e que possam prestar o apoio necessário para garantir que isso pode acontecer."

Equívocos que podem contribuir para a baixa adesão ao tratamento com isoniazida, também são abordados nas novas orientações. Por exemplo, a preocupação que o uso de fármacos anti-TB com isoniazida, sem outras causas de resistência ao medicamento não foi suportada por qualquer evidência científica. Estes e outros esclarecimentos apresentados nas orientações devem limpar o caminho para um maior acesso à terapia preventiva para milhões de pessoas vivendo com HIV.
Acesse o Guideline:
___________________________________


Publicado originalmente em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com/

Relação de álcool e problemas do sono

Alcohol and Sleep Problems in Primary Care Patients: A Report from the AAFP National Research Network

A relação entre problemas entre álcool e distúrbios do sono são comuns, mas as associações não haviam sido estudadas entre os pacientes atendidos na atenção primária. A suposição foi que um maior nível de consumo de álcool estaria associado com vários problemas auto-referidos de sono. O estudo foi publicado na Annals of Family Practice, e é um artigo do Grupo de Trabalho da Rede de Pesquisas Nacional da American Academy of Family Practice

Foi um estudo transversal na atenção primária: 94 médicos participantes recrutaram até 30 pacientes adultos consecutivos, e médicos e pacientes completaram questionários anônimos pós-visita. Aos pacientes foram feitas perguntas sobre dados demográficos, consumo de álcool, sintomas cardinais do abuso de álcool, a qualidade do sono, insônia, apnéia do sono e sintomas de síndrome das pernas inquietas.

Os pesquisadores concluíram que, embora beber moderadamente ou consumo nocivo de alcool estejam associados a poucos problemas de sono, usar álcool para dormir foi fortemente associado ao consumo de risco (em relação ao consumo moderado de álcool) e pode servir como um alerta para que os médicos perguntem sobre o uso excessivo de álcool.

Estudantes de Medicina consomem alcool na manhã seguinte a sua formatura

Leia o resumo:
OBJETIVO alcoolismo nocivo e problemas do sono são comuns, mas as associações entre os pacientes atendidos na atenção primária não foram examinados. Nossa hipótese é que maiores níveis de consumo de álcool estaria associado
com vários problemas de sono auto-referida.
MÉTODOS Em um estudo transversal na atenção primária, 94 médicos participantes recrutados até 30 pacientes adultos consecutivos, e os clínicos e os pacientes completaram questionários postvisit anônimo. Os pacientes foram feitas perguntas sobre dados demográficos, consumo de álcool, sintomas cardinais do abuso de álcool, a qualidade do sono, insônia, apnéia do sono e sintomas de síndrome das pernas inquietas. Na análise multivariada, explorou as associações do estado de beber (nenhum, moderado ou perigosas) e problemas de sono, o ajuste para a demografia ea aglomeração de pacientes no médico.
RESULTADOS Dos 1.984 pacientes que responderam, 1.699 (85,6%) forneceram dados completos para análise. idade média dos entrevistados foi de 50,4 anos (DP 17,4 anos), 67% eram mulheres e 72,9% eram brancos. Destes, 22,3% relataram consumo de risco, 47,8% apresentavam uma qualidade de sono ruim ou muito ruim em geral, e 7,3% relataram um diagnóstico ou tratamento de apnéia do sono. Na análise multivariada, nenhuma associação entre o estado de beber e qualquer medida de insônia, sono de qualidade global, ou síndrome das pernas inquietas. Beber moderado foi associado com menor chance ajustada de apnéia do sono em comparação com os abstêmios (OR = 0,61, 95% CI, 0,38-1,00). A utilização do álcool para o sono foi fortemente associado com consumo de risco (OR = 4,58, 95% CI, 2,97-7,08, em comparação com o consumo moderado).
CONCLUSÕES beber moderadamente e consumo de risco foram associados a poucos problemas do sono. Usar álcool para dormir, no entanto, foi fortemente associado com consumo de risco em relação ao consumo moderado de álcool e pode servir como um alerta para que os médicos perguntam sobre o uso de álcool em excesso.

ABSTRACT (in english):
PURPOSE Hazardous and harmful drinking and sleep problems are common, but their associations among patients seen in primary care have not been examined. We hypothesized that greater levels of alcohol consumption would be associated
with several self-reported sleep problems.
METHODS In a cross-sectional survey in primary care practices, 94 participating clinicians recruited up to 30 consecutive adult patients, and both clinicians and patients completed anonymous postvisit questionnaires. Patients were asked questions on demographics, alcohol consumption, cardinal symptoms of alcohol use disorders, sleep quality, insomnia, sleep apnea, and symptoms of restless leg syndrome. Multivariate analyses explored the associations of drinking status (none, moderate, or hazardous) and sleep problems, adjusting for demographics and clustering of patients within physician.
RESULTS Of 1,984 patients who responded, 1,699 (85.6%) provided complete data for analysis. Respondents’ mean age was 50.4 years (SD 17.4 years), 67% were women, and 72.9% were white. Of these, 22.3% reported hazardous drinking, 47.8% reported fair or poor overall sleep quality, and 7.3% reported a diagnosis or treatment of sleep apnea. Multivariate analyses showed no associations between drinking status and any measure of insomnia, overall sleep quality, or restless legs syndrome symptoms. Moderate drinking was associated with lower adjusted odds of sleep apnea compared with nondrinkers (OR = 0.61; 95% CI, 0.38-1.00). Using alcohol for sleep was strongly associated with hazardous drinking (OR = 4.58; 95% CI, 2.97-7.08, compared with moderate drinking).
CONCLUSIONS Moderate and hazardous drinking were associated with few sleep problems. Using alcohol for sleep, however, was strongly associated with hazardous drinking relative to moderate drinking and may serve as a prompt for physicians to ask about excessive alcohol use.


Acesse o artigo:


Publicado originalmente em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com/


Linhas-guia para prevenção de AVC (AHA-ASA)

Guidelines for the Primary Prevention of Stroke.

A Guideline for Healthcare Professionals From the American Heart Association/American Stroke Association

A revista Stroke atualizou as orientações sobre prevenção primária de acidente vascular cerebral a partir da American Heart Association e da American Stroke Association. As orientações adotam uma abordagem orientada para os pacientes, enfatizando as escolhas de estilo de vida saudável. Abaixo o resumo das recomendações:

• Todos os pacientes devem ter o seu risco de AVC avaliado.
• A pressão arterial sistólica deve ser objetivada para menos de 140 mm Hg, com diastólica abaixo de 90 mm Hg. (A meta em diabéticos é <130/80).>

• Um bloqueador do receptor da angiotensina ou uma enzima conversora de angiotensina (ECA) podem ajudar a controlar a pressão arterial em diabéticos adultos.
• Estatinas são recomendadas em pacientes com doença coronária e as condições de alto risco, como diabetes.
• varfarina em dose ajustada (RNI alvo entre 2,0 e 3,0) é recomendada para pacientes de alto risco com fibrilação auricular não valvular (usar terapia antiplaquetária com aspirina para pacientes com fibrilação atrial de baixo risco).
• Os doentes devem reduzir a ingestão de sódio e aumentar a ingestão de potássio. A dieta DASH é recomendada.


Resumo da linha-guia:
Justificativa e Objetivo - Esta diretriz fornece uma visão geral das evidências sobre fatores de risco estabelecidos e emergentes de acidente vascular cerebral para fornecer recomendações baseadas em evidências para a redução do risco de um primeiro acidente vascular cerebral.
Métodos - Os membros do grupo de escrita foram nomeados pelo presidente da comissão, com base em seu trabalho anterior em áreas temáticas relevantes e foram aprovados pela American Heart Association (AHA) , Stroke Council Scientific Statement Oversight Committee e o AHA Manuscript Oversight Committee. O grupo utilizou revisões sistemáticas da literatura (abrangendo o período desde a última revisão foi publicada em 2006 até abril de 2009), referência às diretrizes previamente publicadas, arquivos pessoais, e opinião de especialistas para resumir as evidências existentes, indicar lacunas no conhecimento atual, e formular recomendações através de critérios normalizados AHA. Todos os membros do grupo tiveram a oportunidade de comentar sobre as recomendações e aprovaram a versão final deste documento. A diretriz passou por uma extensiva revisão por parte dos dirigentes do Stroke Council e da AHA antes da apreciação e aprovação pelos Comitês.
Resultados - Os regimes de avaliação do risco de uma pessoa para um primeiro acidente vascular cerebral foram avaliados. Os fatores de risco ou marcadores de risco para um primeiro curso foram classificados de acordo com potencial para mudança (não modificáveis, modificáveis, ou potencialmente modificáveis) e força da evidência (bem documentados ou menos bem documentado). Fatores de risco não modificáveis incluem a idade, sexo, peso baixo ao nascer, raça/etnia e predisposição genética. Fatores de risco modificáveis e bem documentados incluem a hipertensão, a exposição à fumaça de cigarro, diabetes, fibrilação atrial e outras condições cardíacas, dislipidemia, estenose da artéria carótida, doença falciforme, a terapia hormonal pós-menopausa, uma dieta pobre, inatividade física, obesidade e distribuição da gordura corporal. Menos bem documentados, ou fatores de risco potencialmente modificáveis incluem a síndrome metabólica, o consumo excessivo de álcool, abuso de drogas, uso de contraceptivos orais, distúrbio respiratório do sono, enxaqueca, hiper, lipoproteína (a) elevada, hipercoagulabilidade, inflamação e infecção. Os dados sobre o uso de aspirina para a prevenção primária do AVC foram revistos.
Conclusão - amplas evidências identificam uma variedade de fatores específicos que aumentam o risco de um primeiro acidente vascular cerebral e oferecem estratégias para reduzir esse risco.

Abstract (in english):
Background and Purpose — This guideline provides an overview of the evidence on established and emerging risk factors for stroke to provide evidence-based recommendations for the reduction of risk of a first stroke.
Methods — Writing group members were nominated by the committee chair on the basis of their previous work in relevant topic areas and were approved by the American Heart Association (AHA) Stroke Council Scientific Statement Oversight Committee and the AHA Manuscript Oversight Committee. The writing group used systematic literature reviews (covering the time since the last review was published in 2006 up to April 2009), reference to previously published guidelines, personal files, and expert opinion to summarize existing evidence, indicate gaps in current knowledge, and when appropriate, formulate recommendations using standard AHA criteria (Tables 1 and 2). All members of the writing group had the opportunity to comment on the recommendations and approved the final version of this document. The guideline underwent extensive peer review by the Stroke Council leadership and the AHA scientific statements oversight committees before consideration and approval by the AHA Science Advisory and Coordinating Committee.
Results — Schemes for assessing a person’s risk of a first stroke were evaluated. Risk factors or risk markers for a first stroke were classified according to potential for modification (nonmodifiable, modifiable, or potentially modifiable) and strength of evidence (well documented or less well documented). Nonmodifiable risk factors include age, sex, low birth weight, race/ethnicity, and genetic predisposition. Well-documented and modifiable risk factors include hypertension, exposure to cigarette smoke, diabetes, atrial fibrillation and certain other cardiac conditions, dyslipidemia, carotid artery stenosis, sickle cell disease, postmenopausal hormone therapy, poor diet, physical inactivity, and obesity and body fat distribution. Less well-documented or potentially modifiable risk factors include the metabolic syndrome, excessive alcohol consumption, drug abuse, use of oral contraceptives, sleep-disordered breathing, migraine, hyperhomocysteinemia, elevated lipoprotein(a), hypercoagulability, inflammation, and infection. Data on the use of aspirin for primary stroke prevention are reviewed.
Conclusion — Extensive evidence identifies a variety of specific factors that increase the risk of a first stroke and that provide strategies for reducing that risk.

Acesso ao artigo:



Publicado originalmente em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com/