segunda-feira, 13 de abril de 2009

Ingestão de carne e mortalidade geral

Antecedentes: o consumo elevado de carne vermelha ou processada pode aumentar o risco de mortalidade. Nosso objetivo foi determinar as relações de ingestão de carne vermelha, branca e processada com a mortalidade específica e total.

Métodos: A população de estudo incluiu o "Diet and Health Study" coorte de meio milhão de pessoas com idade entre 50 a 71 anos no início do estudo. O consumo de carnes foi estimado a partir de um questionário de freqüência alimentar administrada no início do estudo. Modelos de regressão de riscos proporcionais de Cox estimaram Razão de Riscos(HRS) com intervalos de confiança de 95% (IC) dentro de quintis de ingestão de carne. As covariáveis incluídas nos modelos foram idade, escolaridade, estado civil, história familiar de câncer (sim / não) (apenas mortalidade por câncer), raça, índice de massa corpórea, história de tabagismo, atividade física, ingestão calórica, alcoolismo, utilização de suplemento vitamínico, consumo de frutas, consumo de produtos hortifrutigranjeiros, e terapia hormonal em mulheres.
Resultados principais incluíram medidas de mortalidade total e mortes devido a câncer, doenças cardiovasculares, lesões e mortes súbitas, e todas as outras causas.

Resultados: Houve 47.976 óbitos do sexo masculino e 23.276 mortes de mulheres durante 10 anos de seguimento. Homens e mulheres no maior quintil versus o menor quintil de carne vermelha(HR, 1,31 [IC 95%, 1,27-1,35], e FC, 1,36 [IC 95%, 1,30-1,43], respectivamente) e carnes processadas (HR, 1.16 [95 % IC, 1,12-1,20], e FC, 1,25 [IC 95%, 1,20-1,31], respectivamente) apresentaram riscos elevados para a mortalidade global. Quanto causar a mortalidade específica, homens e mulheres tinham elevados riscos de mortalidade para câncer quando ingeriram carne vermelha (HR, 1.22 [IC 95%, 1,16-1,29], e FC, 1,20 [IC 95%, 1,12-1,30], respectivamente) e carnes processadas (HR, 1.12 [IC 95%, 1,06-1,19], e FC, 1,11 [IC 95% 1,04-1,19], respectivamente). Além disso, risco para doença cardiovascular foi elevada para os homens e mulheres no quintil mais elevado de ingestão de carne vermelha (HR, 1,27 [IC 95%, 1,20-1,35], e FC, 1,50 [IC 95%, 1,37-1,65], respectivamente) e carnes processadas (HR, 1,09 [IC 95%, 1,03-1,15], e FC , 1,38 [IC 95%, 1,26-1,51], respectivamente). Ao comparar o mais alto com o menor quintil de ingestão de carne branca, houve uma associação inversa de mortalidade total e mortalidade por câncer, bem como todas as outras mortes de ambos, homens e mulheres.

Conclusão: ingestão de carne vermelha e processada foram associados com aumentos modestos na mortalidade total, mortalidade por câncer, doenças cardiovasculares e mortalidade, enquanto ingestão de carne branca foi fator de proteção.

Para baixar, clique aqui.