segunda-feira, 26 de setembro de 2011

USPSTF: ECG de rotina não.

USPSTF: Ainda nenhuma razão para usar Screening de ECG em pacientes de baixo risco

Ainda não há evidências suficientes para justificar a análise eletrocardiográfica de descanso ou exercício em adultos assintomáticos, concluiu um estudo encomendado pela Força-Tarefa de Serviços Preventivos Estadunidense (USPSTF) e publicado no Annals of Internal Medicine. A força-tarefa chegou à mesma conclusão em 2004.

Os pesquisadores revisaram dados publicados desde 2002 para examinar os benefícios do rastreio sobre os resultados clínicos, como triagem afeta o tratamento, se o rastreamento ajuda a classificar os pacientes em grupos de risco, e se há danos associados com a triagem. Eles descobriram que as anormalidades ECG podem até prever aumento do risco, mas com implicações incertas em relação ao tratamento.

Dada a falta de alto nível de evidência de benefício "os médicos não devem incorporar triagem com eletrocardiograma de repouso ou exercício em suas práticas, exceto no contexto dos ensaios clínicos."

Leia a tradução do resumo:

Screening Asymptomatic Adults With Resting or Exercise Electrocardiography: A Review of the Evidence for the U.S. Preventive Services Task Force

Antecedentes: a doença cardíaca coronariana é a principal causa de morte em adultos. A triagem para anormalidades usando eletrocardiograma de repouso ou exercício (ECG) pode ajudar a identificar pessoas que se beneficiariam de intervenções para reduzir o risco cardiovascular.

Objetivo: atualizar a revisão do USPSTF de 2004 e rever as evidências sobre o rastreio de anomalias do ECG de repouso ou exercício em adultos assintomáticos.

Fontes de dados: MEDLINE (2002 a janeiro de 2011), o banco de dados da Biblioteca Cochrane (através do quarto trimestre de 2010), e listas de referência.

Seleção de estudos: Estudos randomizados, ensaios clínicos controlados e estudos de coorte prospectivo.

Extração de dados: Investigadores abstrairam detalhes sobre a população do estudo, delineamento, análise de dados, follow-up, e resultados, e avaliaram a qualidade usando critérios pré-definidos.

Síntese de dados: o estudo avaliou os resultados clínicos ou uso de terapias de redução de risco após a triagem, contra nenhum de triagem. Nenhum estudo estimou com precisão se os participantes submetidos ao eletrocardiograma de repouso ou exercício foram classificados em grupos de alto, intermediário ou baixo risco, em comparação com a avaliação de risco tradicionais. Sessenta e três estudos de coorte prospectivo avaliaram anormalidades no eletrocardiograma de repouso ou exercício como preditores de eventos cardiovasculares após o ajuste para fatores de risco tradicionais. Anormalidades no ECG de repouso (do segmento ST ou onda T anormalidades, hipertrofia ventricular esquerda, bloqueio de ramo, ou para a esquerda-desvio do eixo), ou ECG de exercício (depressão do segmento ST com o exercício, a incompetência cronotrópica, recuperação da freqüência cardíaca anormal, ou diminuição do exercício capacidade) foram associados com risco aumentado (estimativas relação perigo pesquisado [pooled risk], 1,4-2,1). As evidências sobre os danos foram limitados, mas os prejuízos diretos pareceram mínimos (para ECG de repouso) ou pequenos (para o EEG de esforço). Nenhum estudo estimou prejuízos de testes subsequentes ou intervenções, embora as taxas de angiografia após o exercício ECG variaram de 0,6% para 2,9%.

Limitações: Só estudos de língua inglesa foram incluídos. Heterogeneidade estatística estava presente em várias das análises por amostragem.

Conclusão: Anormalidades no ECG de repouso ou exercício estão associadas com um risco aumentado de eventos cardiovasculares subseqüentes após o ajuste para fatores de risco tradicionais, mas as implicações clínicas destes achados não são claras.

Acesse:


Publicado originalmente por Leonardo C M Savassi