terça-feira, 29 de maio de 2012

Meta-Análise: controle intensivo da glicemia não é necessariamente impeditivo de Insuficiência Renal

Role of Intensive Glucose Control in Development of Renal End Points in Type 2 Diabetes Mellitus 

Systematic Review and Meta-analysis



Pacientes com diabetes tipo 2 não necessariamente evitarão complicações renais com controle intensivo da glicemia, de acordo com uma meta-análise de sete ensaios, publicado nos Archives of Internal Medicine.

Os pesquisadores examinaram os resultados renais, tanto substitutos (albuminúria) e clínicos (duplicação da creatinina, estágio final de doença renal e morte por doença renal) - em cerca de 28.000 pacientes randomizados para controle glicêmico intensivo ou padrão. Eles descobriram que, embora foi menos provável a presença de albuminúria com o controle intensivo, a taxa de clínicos resultados renais foi aproximadamente a mesma nos dois grupos.

Apesar da duração breve dos estudos incluídos na meta-análise, o estudo tem o mérito de avaliar os desfechos corretos, já que ao invés de meramente avaliar o controle glicêmico, ele avalia o objetivo final da prevenção de doença renal. Além disto, o controle intensivo com múltiplas drogas carrega seus próprios potenciais danos, incluindo, possivelmente, maiores os riscos cardiovasculares, lembrando que há 50 mortes por causas cardiovasculares para cada morte relacionada a doença renal em pacientes com diabetes tipo 2.

Leia o resumo traduzido:

Antecedentes: teoriza-se que o controle glicêmico agressivo pode prevenir a doença renal em pacientes com diabetes mellitus tipo 2. Uma revisão sistemática foi realizada para sumarizar os benefícios do controle intensivo da glicose vs convencional em desfechos renais relacionados de adultos com diabetes tipo 2.Métodos: três bases de dados foram sistematicamente pesquisadas ​​(de 01 de janeiro de 1950 a 31 de dezembro de 2010), sem restrições de linguagem para identificar ensaios clínicos randomizados que compararam resultados renais end-points (microalbuminúria e macroalbuminúria) e end-points clínicos renais (duplicação da creatinina sérica, estágio final da doença renal [DRT], a morte e de doença renal) em pacientes com diabetes tipo 2 recebendo controle intensivo da glicemia versus aqueles que receberam o controle da glicose convencional.Resultados: Foram avaliados 28 estudos envolvendo 7 065 adultos que foram monitorados durante 2 a 15 anos. Comparado com o controle convencional, o controle intensivo da glicemia reduziu o risco de microalbuminúria (razão de risco, 0,86 [IC 95%, 0,76-0,96]) e macroalbuminúria (0,74 [0,65-0,85]), mas não a duplicação da creatinina sérica (1,06 [ 0,92-1,22]), DRT (0,69 [0,46-1,05]), ou morte por doença renal (0,99 [0,55-1,79]). Uma meta-regressão revelou que as diferenças maiores em hemoglobina A1c entre a terapia intensiva e convencional no nível do estudo foram associados com maior benefício para ambos microalbuminúria e macroalbuminúria. A incidência cumulativa combinada de duplicação da creatinina sérica, doença renal terminal, e morte por doença renal foi baixa (<4%, <1,5% e <0,5%, respectivamente) em comparação com os substitutos pontos finais renais de microalbuminúria (23%) e macroalbuminúria (5%).Conclusões: controle intensivo da glicemia reduz o risco de microalbuminúria e macroalbuminúria, mas faltam evidências de que o controle intensivo da glicemia reduz o risco de resultados clínicos renais significativos, como a duplicação do nível de creatinina sérica, doença renal terminal ou morte por doença renal durante os anos de acompanhamento dos ensaios.

Acesse o artigo:

 

Publicado originalmente por Leonardo C M Savassi em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com