sábado, 4 de dezembro de 2010

Linhas-guia para prevenção de AVC (AHA-ASA)

Guidelines for the Primary Prevention of Stroke.

A Guideline for Healthcare Professionals From the American Heart Association/American Stroke Association

A revista Stroke atualizou as orientações sobre prevenção primária de acidente vascular cerebral a partir da American Heart Association e da American Stroke Association. As orientações adotam uma abordagem orientada para os pacientes, enfatizando as escolhas de estilo de vida saudável. Abaixo o resumo das recomendações:

• Todos os pacientes devem ter o seu risco de AVC avaliado.
• A pressão arterial sistólica deve ser objetivada para menos de 140 mm Hg, com diastólica abaixo de 90 mm Hg. (A meta em diabéticos é <130/80).>

• Um bloqueador do receptor da angiotensina ou uma enzima conversora de angiotensina (ECA) podem ajudar a controlar a pressão arterial em diabéticos adultos.
• Estatinas são recomendadas em pacientes com doença coronária e as condições de alto risco, como diabetes.
• varfarina em dose ajustada (RNI alvo entre 2,0 e 3,0) é recomendada para pacientes de alto risco com fibrilação auricular não valvular (usar terapia antiplaquetária com aspirina para pacientes com fibrilação atrial de baixo risco).
• Os doentes devem reduzir a ingestão de sódio e aumentar a ingestão de potássio. A dieta DASH é recomendada.


Resumo da linha-guia:
Justificativa e Objetivo - Esta diretriz fornece uma visão geral das evidências sobre fatores de risco estabelecidos e emergentes de acidente vascular cerebral para fornecer recomendações baseadas em evidências para a redução do risco de um primeiro acidente vascular cerebral.
Métodos - Os membros do grupo de escrita foram nomeados pelo presidente da comissão, com base em seu trabalho anterior em áreas temáticas relevantes e foram aprovados pela American Heart Association (AHA) , Stroke Council Scientific Statement Oversight Committee e o AHA Manuscript Oversight Committee. O grupo utilizou revisões sistemáticas da literatura (abrangendo o período desde a última revisão foi publicada em 2006 até abril de 2009), referência às diretrizes previamente publicadas, arquivos pessoais, e opinião de especialistas para resumir as evidências existentes, indicar lacunas no conhecimento atual, e formular recomendações através de critérios normalizados AHA. Todos os membros do grupo tiveram a oportunidade de comentar sobre as recomendações e aprovaram a versão final deste documento. A diretriz passou por uma extensiva revisão por parte dos dirigentes do Stroke Council e da AHA antes da apreciação e aprovação pelos Comitês.
Resultados - Os regimes de avaliação do risco de uma pessoa para um primeiro acidente vascular cerebral foram avaliados. Os fatores de risco ou marcadores de risco para um primeiro curso foram classificados de acordo com potencial para mudança (não modificáveis, modificáveis, ou potencialmente modificáveis) e força da evidência (bem documentados ou menos bem documentado). Fatores de risco não modificáveis incluem a idade, sexo, peso baixo ao nascer, raça/etnia e predisposição genética. Fatores de risco modificáveis e bem documentados incluem a hipertensão, a exposição à fumaça de cigarro, diabetes, fibrilação atrial e outras condições cardíacas, dislipidemia, estenose da artéria carótida, doença falciforme, a terapia hormonal pós-menopausa, uma dieta pobre, inatividade física, obesidade e distribuição da gordura corporal. Menos bem documentados, ou fatores de risco potencialmente modificáveis incluem a síndrome metabólica, o consumo excessivo de álcool, abuso de drogas, uso de contraceptivos orais, distúrbio respiratório do sono, enxaqueca, hiper, lipoproteína (a) elevada, hipercoagulabilidade, inflamação e infecção. Os dados sobre o uso de aspirina para a prevenção primária do AVC foram revistos.
Conclusão - amplas evidências identificam uma variedade de fatores específicos que aumentam o risco de um primeiro acidente vascular cerebral e oferecem estratégias para reduzir esse risco.

Abstract (in english):
Background and Purpose — This guideline provides an overview of the evidence on established and emerging risk factors for stroke to provide evidence-based recommendations for the reduction of risk of a first stroke.
Methods — Writing group members were nominated by the committee chair on the basis of their previous work in relevant topic areas and were approved by the American Heart Association (AHA) Stroke Council Scientific Statement Oversight Committee and the AHA Manuscript Oversight Committee. The writing group used systematic literature reviews (covering the time since the last review was published in 2006 up to April 2009), reference to previously published guidelines, personal files, and expert opinion to summarize existing evidence, indicate gaps in current knowledge, and when appropriate, formulate recommendations using standard AHA criteria (Tables 1 and 2). All members of the writing group had the opportunity to comment on the recommendations and approved the final version of this document. The guideline underwent extensive peer review by the Stroke Council leadership and the AHA scientific statements oversight committees before consideration and approval by the AHA Science Advisory and Coordinating Committee.
Results — Schemes for assessing a person’s risk of a first stroke were evaluated. Risk factors or risk markers for a first stroke were classified according to potential for modification (nonmodifiable, modifiable, or potentially modifiable) and strength of evidence (well documented or less well documented). Nonmodifiable risk factors include age, sex, low birth weight, race/ethnicity, and genetic predisposition. Well-documented and modifiable risk factors include hypertension, exposure to cigarette smoke, diabetes, atrial fibrillation and certain other cardiac conditions, dyslipidemia, carotid artery stenosis, sickle cell disease, postmenopausal hormone therapy, poor diet, physical inactivity, and obesity and body fat distribution. Less well-documented or potentially modifiable risk factors include the metabolic syndrome, excessive alcohol consumption, drug abuse, use of oral contraceptives, sleep-disordered breathing, migraine, hyperhomocysteinemia, elevated lipoprotein(a), hypercoagulability, inflammation, and infection. Data on the use of aspirin for primary stroke prevention are reviewed.
Conclusion — Extensive evidence identifies a variety of specific factors that increase the risk of a first stroke and that provide strategies for reducing that risk.

Acesso ao artigo:



Publicado originalmente em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com/