sábado, 4 de dezembro de 2010

Relação de álcool e problemas do sono

Alcohol and Sleep Problems in Primary Care Patients: A Report from the AAFP National Research Network

A relação entre problemas entre álcool e distúrbios do sono são comuns, mas as associações não haviam sido estudadas entre os pacientes atendidos na atenção primária. A suposição foi que um maior nível de consumo de álcool estaria associado com vários problemas auto-referidos de sono. O estudo foi publicado na Annals of Family Practice, e é um artigo do Grupo de Trabalho da Rede de Pesquisas Nacional da American Academy of Family Practice

Foi um estudo transversal na atenção primária: 94 médicos participantes recrutaram até 30 pacientes adultos consecutivos, e médicos e pacientes completaram questionários anônimos pós-visita. Aos pacientes foram feitas perguntas sobre dados demográficos, consumo de álcool, sintomas cardinais do abuso de álcool, a qualidade do sono, insônia, apnéia do sono e sintomas de síndrome das pernas inquietas.

Os pesquisadores concluíram que, embora beber moderadamente ou consumo nocivo de alcool estejam associados a poucos problemas de sono, usar álcool para dormir foi fortemente associado ao consumo de risco (em relação ao consumo moderado de álcool) e pode servir como um alerta para que os médicos perguntem sobre o uso excessivo de álcool.

Estudantes de Medicina consomem alcool na manhã seguinte a sua formatura

Leia o resumo:
OBJETIVO alcoolismo nocivo e problemas do sono são comuns, mas as associações entre os pacientes atendidos na atenção primária não foram examinados. Nossa hipótese é que maiores níveis de consumo de álcool estaria associado
com vários problemas de sono auto-referida.
MÉTODOS Em um estudo transversal na atenção primária, 94 médicos participantes recrutados até 30 pacientes adultos consecutivos, e os clínicos e os pacientes completaram questionários postvisit anônimo. Os pacientes foram feitas perguntas sobre dados demográficos, consumo de álcool, sintomas cardinais do abuso de álcool, a qualidade do sono, insônia, apnéia do sono e sintomas de síndrome das pernas inquietas. Na análise multivariada, explorou as associações do estado de beber (nenhum, moderado ou perigosas) e problemas de sono, o ajuste para a demografia ea aglomeração de pacientes no médico.
RESULTADOS Dos 1.984 pacientes que responderam, 1.699 (85,6%) forneceram dados completos para análise. idade média dos entrevistados foi de 50,4 anos (DP 17,4 anos), 67% eram mulheres e 72,9% eram brancos. Destes, 22,3% relataram consumo de risco, 47,8% apresentavam uma qualidade de sono ruim ou muito ruim em geral, e 7,3% relataram um diagnóstico ou tratamento de apnéia do sono. Na análise multivariada, nenhuma associação entre o estado de beber e qualquer medida de insônia, sono de qualidade global, ou síndrome das pernas inquietas. Beber moderado foi associado com menor chance ajustada de apnéia do sono em comparação com os abstêmios (OR = 0,61, 95% CI, 0,38-1,00). A utilização do álcool para o sono foi fortemente associado com consumo de risco (OR = 4,58, 95% CI, 2,97-7,08, em comparação com o consumo moderado).
CONCLUSÕES beber moderadamente e consumo de risco foram associados a poucos problemas do sono. Usar álcool para dormir, no entanto, foi fortemente associado com consumo de risco em relação ao consumo moderado de álcool e pode servir como um alerta para que os médicos perguntam sobre o uso de álcool em excesso.

ABSTRACT (in english):
PURPOSE Hazardous and harmful drinking and sleep problems are common, but their associations among patients seen in primary care have not been examined. We hypothesized that greater levels of alcohol consumption would be associated
with several self-reported sleep problems.
METHODS In a cross-sectional survey in primary care practices, 94 participating clinicians recruited up to 30 consecutive adult patients, and both clinicians and patients completed anonymous postvisit questionnaires. Patients were asked questions on demographics, alcohol consumption, cardinal symptoms of alcohol use disorders, sleep quality, insomnia, sleep apnea, and symptoms of restless leg syndrome. Multivariate analyses explored the associations of drinking status (none, moderate, or hazardous) and sleep problems, adjusting for demographics and clustering of patients within physician.
RESULTS Of 1,984 patients who responded, 1,699 (85.6%) provided complete data for analysis. Respondents’ mean age was 50.4 years (SD 17.4 years), 67% were women, and 72.9% were white. Of these, 22.3% reported hazardous drinking, 47.8% reported fair or poor overall sleep quality, and 7.3% reported a diagnosis or treatment of sleep apnea. Multivariate analyses showed no associations between drinking status and any measure of insomnia, overall sleep quality, or restless legs syndrome symptoms. Moderate drinking was associated with lower adjusted odds of sleep apnea compared with nondrinkers (OR = 0.61; 95% CI, 0.38-1.00). Using alcohol for sleep was strongly associated with hazardous drinking (OR = 4.58; 95% CI, 2.97-7.08, compared with moderate drinking).
CONCLUSIONS Moderate and hazardous drinking were associated with few sleep problems. Using alcohol for sleep, however, was strongly associated with hazardous drinking relative to moderate drinking and may serve as a prompt for physicians to ask about excessive alcohol use.


Acesse o artigo:


Publicado originalmente em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com/