sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Recomendações da AAP sobre Avaliação de Fraturas em crianças

Evaluating Children With Fractures for Child Physical Abuse

Os recentes avanços na compreensão das causas de fraturas tornaram mais fácil identificar vítimas de abuso infantil, de acordo com um relatório da Academia Americana de Pediatria (AAP). 

Em lactentes e crianças , abuso físico é responsável por 12 a 20 por cento das fraturas. No relatório clínico  “Evaluating Children With Fractures for Child Physical Abuse”, na Pediatrics de Fevereiro (publicado online em 27 de janeiro), a AAP descreve os recentes avanços na compreensão de que as fraturas são sugestivas de abuso, bem como aponta como ocorrem as fraturas e doenças médicas que podem fazer alguns ossos das crianças jovens mais propensos a fraturas. O relatório atualiza a versão anterior, publicada em 2006. 

Fratura do tarso do 2o dedo (Créditos: Leonardo Savassi)

De acordo com o relatório, fraturas de costelas em bebês e crianças pequenas têm uma alta probabilidade de ser causado pelo abuso , assim como lesões metafisárias clássicas, um tipo de fratura de ossos longos . Fraturas múltiplas, fraturas de diferentes estágios de cura, e fraturas de crânio complexas têm uma probabilidade moderada de serem causadas pelo abuso . No entanto, qualquer fratura pode ser causada pelo abuso, e é importante compreender os mecanismos de fraturas para determinar se uma fratura é causada por abuso ou outra causa.

Condições médicas pré-existentes e doenças ósseas podem tornar os ossos de uma criança mais vulnerável a fraturas. É importante obter uma história clínica completa , antecedentes familiares e sociais para determinar como uma lesão ocorreu. Irmãos de crianças que foram abusadas fisicamente também deve ser avaliados para maus-tratos. 

Sucintamente, estas são as principais recomendações para os médicos que avaliam as crianças:

1) compreender os mecanismos de fraturas para determinar se uma fratura é causada por abuso ou outra causa;

2) colher uma história médica completa, história familiar e história social para determinar como uma lesão ocorreu, como doença dos ossos e outras condições médicas pré-existentes que podem tornar os ossos de uma criança mais frágil ;

3) colher uma história cuidadosa da criança que tenha qualquer lesão e, em seguida, determinar se o mecanismo descrito e a gravidade e tempo são consistentes com o ferimento , e

4) avaliar irmãos de crianças que foram abusadas fisicamente.

Deve-se suspeitar que uma fratura pode ser resultado de abuso de crianças, nas seguintes circunstâncias:

a) Não há histórico de lesão, ou a história descrita não é consistente com o prejuízo sofrido.
b) O cuidador fornece histórias inconsistentes ou mudança de versões.
c) A fratura é motivo de consulta em uma criança fora do ambulatório (significa que o cuidador vai a um médico que não tem vínculo com a criança, como em pronto-socorros).
d) A fratura tem uma alta especificidade para o abuso de crianças, em bebês e crianças pequenas, que incluem: lesões clássicas metafisárias e em costelas, escapulares, no esterno e fraturas do processo espinhoso.
e) Existem múltiplas fraturas ou fraturas de diferentes idades.
f) A criança tem outras lesões suspeitas.
g) O cuidador procura o tratamento médico tardiamente.

Acesse o artigo em:


Acesse o Press Release da AAP aqui:


Publicado por Leonardo C M Savassi em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com