sexta-feira, 18 de março de 2011

Inglaterra mais saudável que os EUA: Crédito da Medicina socializada?

Ryan Jaslow comenta em uma reportagem (CBS) que os americanos amam "zoar" os ingleses por terem dentes ruins e comida sem gosto. Mas quando o assunto é saúde são os britânicos quem riem por último.

Em comparação com os britânicos, os americanos têm taxas mais altas de muitos problemas crônicos de saúde, incluindo doenças cardíacas, diabetes e asma, mostra um novo estudo. Além do mais, obesidade e colesterol alto são menos comuns na Inglaterra do que nos EUA, de acordo com o estudo de quase 40 mil americanos e 70.000 britânicos, publicado na edição de março da revista American Journal of Epidemiology.
Entre os jovens, os ataques cardíacos são mais comuns nos EUA, do que na Inglaterra, mostrou o estudo. E as mulheres americanas de todas as idades têm pressão arterial mais elevada e mais ataques cardíacos e derrames do que suas contrapartes na Inglaterra.

Como médicos britânicos reagiram à notícia? O autor principal do estudo é respondeu prontamente: "Eles diziam: 'Os EUA devem estar fazendo muito mal, porque eles são piores do que nós, e nós somos piores do que o resto dos países europeus", "Dr. Melissa Martinson, um associado de pesquisa na Universidade de Princeton, disse HealthDay.

Ouch.

Martinson, disse que não estava claro porque os caras do outro lado da lagoa são muito mais saudáveis ​​do que ianques. "Por que o estado de saúde difere tão radicalmente nestes dois países, que compartilham muito em termos de história e cultura, é um enigma sem solução", escreveu ela no estudo.

Ironicamente, o próprio sistema socializado de saúde, lamentam muitos norte-americanos, pode ser responsável por uma melhor saúde britânicos. Embora os EUA gastem mais em cuidados de saúde e tem a medicina mais alta tecnologia do que qualquer outro país, os americanos vêem os médicos de cuidados primários com menos freqüência do que as pessoas fazem Inglês, informou a BBC.

Os peritos da saúde concordam que a chave para melhorar a saúde nos EUA serão comer mais saudavelmente e reformar a maneira batata de sofá. A administração Obama está pressionando a agenda de vida melhor com a primeira-dama e sua campanha Let's Move.

Mas trazer os americanos para a saúde em linha com os britânicos ? Isso pode ser uma luta longa e difícil.

Chame-a Revolução Americana, Parte II?

Esquece o autor dos benefícios da APS, como a promoção, proximidade à comunidade (chamamos de território, aqui) e sua longitunidalidade.

Publicado originalmente por Ricardo Alexandre de Souza em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com/