quarta-feira, 16 de março de 2011

TVs nos quartos das crianças: Será que impacta na saúde e comportamento?

Estudo super importante para a medicina de família, já que a TV, por muitas vezes, é desagregadora do lar e geradora de conflitos dentro do mesmo.

Interessante ver os resultados sobre obesidade e de TVs no Alaska, confiram:

Objetivos: (1) determinar as características sócio-demográficas associadas com televisão no quarto (TVq) e (2) analisar relação do TVq, independente do tempo de duração, com características sociais e comportamentais.

Métodos. Crianças 6-17 anos a partir de 2007 do estudo Pesquisa Nacional de Saúde Infantil dos EEUU foram inclusas (n = 48.687). TVq, tempo diário assistindo televisão, demográficas, comportamentais e os resultados sociais (participação na comunidade, habilidades sociais, hábitos e estado de saúde, e familiares) foram examinados por meio de regressão logística e ajustados para o tempo de visualização total.

Resultados:

A prevalência de TVq foi de 49,3% nas crianças americanas.

Foram associadas com maior chance de TVq: idade avançada, negros não-hispânicos (71,3%), hispânicos (56,3%), maior nível de pobreza (% N56.2), a estrutura familiar diversa de dois pais biológicos (N62.6%), Centro-Oeste (47,1%), Nordeste (46,7%), Atlântico Sul (56,4%) e Centro-Sul (59,8%).

Genero feminino (52,7%) e residir no Alasca (33,0%) foram associados com menor prevalência de TVq.

TVq foi associada com maior prevalência de exibir comportamentos sociais problemáticos (29%) e sobrepeso (44%).

TVq foi significativamente associada com menor prevalência de refeições regulares da família (13%), a participação na escola (16%), participação em atividades extracurriculares (31%), regularmente dormem o suficiente (20%) e a participação em serviços comunitários (25%) após o ajuste para tempo assistindo TV.

Conclusões: TVq aparece associado a índices mais sociais e comportamentais do que relatado previamente, para além do tempo total assistindo TV.

Publicado originalmente por Ricardo Alexandre de Souza em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com/