sábado, 10 de dezembro de 2011

Recomendações atualizadas para antimeningocóccica tetravalente

AAP Updates Meningococcal Vaccine/Booster Dose Guidelines

Adolescentes devem ser rotineiramente imunizados com a vacina quadrivalente meningocócica conjugada (MCV4) aos 11 ou 12 anos de idade e receber uma dose de reforço na idade de 16 anos, de acordo com diretrizes atualizadas da Academia Americana de Pediatria (AAP) segundo o policy statement publicado na edição impressa de dezembro do periódico Pediatrics.

No ano de 2005, o Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP) do Centers for Disease Control and Prevention (CDC) e a AAP desenvolveram recomendações para o uso de MCV4 com o objetivo de proteger os adolescentes, bem como jovens adultos com idades entre 16 a 21 anos, idades de taxas de pico de doença meningocócica.

Segundo a AAP, dados recentes sobre persistência de anticorpos e ocorrência de casos indicam avanços da doença, fazendo com que a recomendação para a administração de MCV4 aos 11 a 12 anos de idade não fornecem proteção por mais de 5 anos ou durante todo o período integral de maior risco. Depois de analisar as evidências sobre a imunogenicidade em grupos de alto risco, a persistência de anticorpos bactericidas após a vacinação, epidemiologia atual da doença meningocócica, MCV4, eficácia e custo-efetividade de diferentes estratégias para a vacinação de adolescentes, o ACIP e a AAP aprovaram as recomendações atualizadas:

  • Adolescentes devem ser imunizados rotineiramente entre 11 e 12 anos de idade e receber uma dose de reforço aos 16 anos de idade.
  • Adolescentes vacinados inicialmente com MCV4 entre 13 e 15 anos de idade devem receber uma dose de reforço aos 16-18 anos de idade, ou até cinco anos após a sua primeira dose.
  • Adolescentes vacinados com MCV4 inicial em 16 anos de idade ou depois não precisa de uma dose de reforço.
  • Pessoas com um alto risco de doença meningocócica invasiva deve receber uma série de 2 doses primárias com dois meses de intervalo.

    Condições de alto risco incluem uma deficiência persistente de um componente do complemento (por exemplo, C5 - C9, properdina, fator H, ou fator D) em pessoas com idades entre 9 meses e 54 anos de idade, asplenia anatômica ou funcional em pessoas com idade entre 2 a 54 anos, e vírus da imunodeficiência humana (HIV) em adolescentes.
  • Se a série de duas doses primária foi dada a partir de 2 a 6 anos de idade, uma dose de reforço deve ser dada três anos após a série primária.
  • Uma dose de reforço deve ser dado a cada 5 anos para as pessoas cujos duas doses da série primária ou dose de reforço foi dado aos 7 anos de idade ou mais velhos que estão em risco para a doença meningocócica invasiva por causa da deficiência persistente complementar componente ou asplenia anatômica ou funcional.

Há dúvidas quanto a intercambialidade de produtos vacina meningocócica de diferentes fabricantes. Assim idealmente deve-se usar a mesma marca/ laboratório da vacina para a imunização. Se a marca anteriormente utilizada for desconhecida ou não estiver disponível, qualquer produto deve ser usado para continuar ou completar a série.

Embora MCV4 seja segura e imunogênica entre mulheres não grávidas com idade entre 11 a 55 anos, não há dados disponíveis sobre a segurança MCV4 quando administrada durante a gravidez. Uma mulher grávida deve ser vacinada com MCV4 somente se o benefício potencial supere o potencial de risco. O aleitamento materno não é uma contra-indicação à MCV4.

Acesse o artigo na íntegra (Livre Acesso):





Acesse a tabela de indicação de dosagens de MCV4 do artigo.


Veja ainda:

:: Esquema vacinal da AAP (EEUU) para crianças (0-6 anos)
:: Esquema vacinal da AAP (EEUU) para Adolescentes (7-18 anos)

:: Calendário Básico Brasileiro de Vacinação da Criança
::
Calendário Brasileiro de Vacinação do Adolescente
::
Calendário Brasileiro de Vacinação do Adulto e do Idoso
:: Calendário de Vacinação da População Indígena Brasileira

Leia o abstract do artigo a seguir:

ABSTRACT

The Advisory Committee on Immunization Practices of the Centers for Disease Control and Prevention and the American Academy of Pediatrics approved updated recommendations for the use of quadravalent (serogroups A, C, W-135, and Y) meningococcal conjugate vaccines (Menactra [Sanofi Pasteur, Swiftwater, PA] and Menveo [Novartis, Basel, Switzerland]) in adolescents and in people at persistent high risk of meningococcal disease. The recommendations supplement previous Advisory Committee on Immunization Practices and American Academy of Pediatrics recommendations for meningococcal vaccinations. Data were reviewed pertaining to immunogenicity in high-risk groups, bactericidal antibody persistence after immunization, current epidemiology of meningococcal disease, meningococcal conjugate vaccine effectiveness, and cost-effectiveness of different strategies for vaccination of adolescents. This review prompted the following recommendations: (1) adolescents should be routinely immunized at 11 through 12 years of age and given a booster dose at 16 years of age; (2) adolescents who received their first dose at age 13 through 15 years should receive a booster at age 16 through 18 years or up to 5 years after their first dose; (3) adolescents who receive their first dose of meningococcal conjugate vaccine at or after 16 years of age do not need a booster dose; (4) a 2-dose primary series should be administered 2 months apart for those who are at increased risk of invasive meningococcal disease because of persistent complement component (eg, C5–C9, properdin, factor H, or factor D) deficiency (9 months through 54 years of age) or functional or anatomic asplenia (2–54 years of age) and for adolescents with HIV infection; and (5) a booster dose should be given 3 years after the primary series if the primary 2-dose series was given from 2 through 6 years of age and every 5 years for persons whose 2-dose primary series or booster dose was given at 7 years of age or older who are at risk of invasive meningococcal disease because of persistent component (eg, C5–C9, properdin, factor H, or factor D) deficiency or functional or anatomic asplenia.

Publicado originalmente por Leonardo C M Savassi no http://medicinadefamiliabr.blogspot.com