terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Um guia ético para a relação médico-paciente-cuidador

Family Caregivers, Patients and Physicians: Ethical Guidance to Optimize Relationships

Lançado pelo Ethics, Professionalism and Human Rights Committee do American College of Physicians (ACP), este "Position Paper 2009" traz a discussão acerca dos desafios éticos da parceria com pacientes e cuidadores familiares e preservação da relação médico-paciente. O American College of Physicians, juntamente com dez profissionais de outras sociedades profissionais desenvolveu este guideline para médicos que desenvolvem relações médico-paciente-cuidador com o viés ético da relação.

No ano de 2006, cuidadores se responsabilizaram por 90% de pacientes com doenças agudas, crônicas e déficits mentais, correspondendo a um universo de 30 a 38 milhões nos EEUU. Eles necessitam de informações, acesso a recursos e suporte para realizar o seu papel, que é ampliado pelo reconhecimento do médico, e pelo suporte físico, psicológico, espiricual e emocional.

O guia traz discussões acerca dos seguintes preceitos:

- Respeito pela dignidade do paciente: os direitos e valores devem nortear todas as interações médico-paciente-cuidador.
Os encontros devem ser
centrados no paciente, permitindo a máxima e adequada autonomia do paciente e da participação na tomada de decisões.
O médico deve avaliar rotineiramente os desejos do paciente quanto à natureza e grau de participação do cuidador no encontro clínico esforçando-se para fornecer a nível desejado de privacidade do paciente.

- Acessibilidade ao médico e excelência da comunicação são fundamentais para apoiar
o paciente e cuidador familiar.
O médico deve se esforçar para assegurar que o paciente, cuidador familiar e outros membros da família têm um entendimento comum e preciso do estado do paciente e prognóstico.
Os médicos devem incentivar a discussão de valores do paciente, cuidados de saúde e planejamento prévio, para que o cuidador familiar e o médico tenham uma clara compreensão dos desejos do paciente.

- O médico deve reconhecer o valor de cuidadores familiares como uma fonte de continuidade em relação ao histórico médico e psicossocial do paciente e facilitar a transição intelectual e emocional para o estágio final de doença crônica grave.
O médico deve rotineiramente validar o papel do cuidador familiar e ser sensível a compromissos específicos que o cuidador possa ter feito a respeito de como ele ou ela vai gerenciar o cuidado do paciente.

Os médicos devem desenvolver planos de cuidados que são específicos do paciente e cuidador-específicas e fornecer informações, formação e encaminhamentos para apoiar estes planos.
O médico deve estar alerta para sinais de perigo no cuidador familiar e propor encaminhamentos adequados.

Os médicos devem reconhecer que os cuidadores geograficamente distantes podem enfrentar desafios únicos.
O médico deve definir um plano de cuidados paliativos que se concentra na maximização do paciente e qualidade de vida do cuidador.

O médico deve acompanhar cuidadores familiares em casos de urgência devido a problemas de perda durante o período que antecedeu e após a morte do paciente.

- Quando o cuidador for um profissional de saúde, o médico deve estabelecer limites adequados para garantir que o cuidador não é cobrado em função de sua capacidade profissional em relação ao paciente e que o cuidador receber o apoio adequado, referências e serviços.

O guideline foi publicado dentro do website da ACP:


Há ainda um apêndice acerca de fontes de informação para médicos que acompanham cuidadores:


Fonte: