sábado, 28 de maio de 2011

Dieta rica em cálcio não tem efeito aparente benéfico no risco de fratura

Dietary calcium intake and risk of fracture and osteoporosis: prospective longitudinal cohort study

A ingestão de cálcio acima de determinados níveis tem pouco efeito sobre o risco das mulheres para a fratura ou osteoporose,segundo um estudo do BMJ. Os pesquisadores acompanharam cerca de 60.000 mulheres,com idade de cerca de 55 no início do estudo, há 20 anos. A ingestão de cálcio foi estimada por meio de questionários de frequência alimentar, e uma subcoorte foi submetida a avaliação da densidade mineral óssea.

As pacientes foram divididos em quintis de ingestão de cálcio acumulado. Aquelas com rendimentos mais baixos tiveram maior risco de ter uma primeira fratura de qualquer tipo, fratura de quadril, ou osteoporose durante o seguimento, quando comparadas com o quintil médio (grupo de referência). Após ajuste multivariado, aquelas do quintil de consumo mais elevado não apresentaram maior vantagem para evitar a fratura. De fato, o risco de fratura de quadril foi maior entre aquelas com as maiores quantidades de cálcio.

Os autores dizem que seus resultados sugerem que na prevenção de fraturas osteoporóticas, "a ênfase deve ser colocada em indivíduos com baixa ingestão de cálcio ao invés de aumentar o consumo desses montantes já consome satisfatório."

Leia abaixo o resumo (traduzido) e o abstract

Resumo

Objetivo: investigar associações entre a ingestão a longo prazoda dieta de cálcioe de risco de fratura de qualquer tipo, fraturas de quadril, e osteoporose.

Design: Um estudo de coorte longitudinal prospectivo, com base na Swedish Mammography Cohort, incluindo um subcoorte, a Swedish Mammography Cohort Clinical. Uma configuração de coorte de base populacional na Suécia criada em 1987.

Participantes 61 433 mulheres (nascidos entre 1914 e 1948)foramacompanhados por 19 anos. 5.022 destas mulheresparticiparam do subcohort.

Os principais parâmetros de medidas de desfecho primárias foram incidentefraturas de qualquer tipo e fraturas do quadril, queforam identificados a partir de dados do Registro. O desfecho secundário foi a osteoporose diagnosticada porabsorciometria de dupla energia de raios x na subcoorte. A dieta foiavaliadaatravés de questionários de frequência alimentar repetida.

Resultados Durante o seguimento, 14 738 mulheres (24%) tiveram uma primeira fratura de qualquer tipo e, entre elas 3.871(6%), fratura de quadril a primeira vez. Das 5.022 mulheres na subcoorte, 1012 (20%) foram avaliadas comoosteoporose. Os padrões de risco com o cálcio da dieta eram não-lineares. A taxabruta de uma primeira fratura de qualquer tipo foi 17.2/1000 pessoas-ano em risco no quintil de ingestão de cálcio, e 14.0/1000 pessoas-ano em risco noterceiro quintil, correspondendo a uma taxa de risco multivariado ajustado de 1,18 (95 % intervalo de confiança de 1,12-1,25). A taxa de risco para uma fraturade quadril primeira foi de 1,29 (1,17-1,43) e a razão de chances de osteoporosefoi de 1,47 (1,09-2,00). Comum a baixa ingestão de vitamina D, a taxa de fraturano quinto quintil cálcio primeiro foi mais pronunciado. A maior quintil de ingestão de cálcio não reduzir ainda mais o risco de fraturas de qualquer tipo, ou deosteoporose, mas foi associado com uma maior taxa de fratura de quadril, hazard ratio 1,19 (1,06-1,32).

Conclusão aumentos graduais na ingestão de cálcio acima do primeiro quintil da população feminina sueca não foram associados com maiores reduções no risco de fratura ou osteoporose.


Abstract

Objective To investigate associations between long term dietary intake of calcium and risk of fracture of any type, hip fractures, and osteoporosis.

Design A longitudinal and prospective cohort study, based on the Swedish Mammography Cohort, including a subcohort, the Swedish Mammography Cohort Clinical.

Setting A population based cohort in Sweden established in 1987.

Participants 61 433 women (born between 1914 and 1948) were followed up for 19 years. 5022 of these women participated in the subcohort.

Main outcome measures Primary outcome measures were incident fractures of any type and hip fractures, which were identified from registry data. Secondary outcome was osteoporosis diagnosed by dual energy x ray absorptiometry in the subcohort. Diet was assessed by repeated food frequency questionnaires.

Results During follow-up, 14 738 women (24%) experienced a first fracture of any type and among them 3871 (6%) a first hip fracture. Of the 5022 women in the subcohort, 1012 (20%) were measured as osteoporotic. The risk patterns with dietary calcium were non-linear. The crude rate of a first fracture of any type was 17.2/1000 person years at risk in the lowest quintile of calcium intake, and 14.0/1000 person years at risk in the third quintile, corresponding to a multivariable adjusted hazard ratio of 1.18 (95% confidence interval 1.12 to 1.25). The hazard ratio for a first hip fracture was 1.29 (1.17 to 1.43) and the odds ratio for osteoporosis was 1.47 (1.09 to 2.00). With a low vitamin D intake, the rate of fracture in the first calcium quintile was more pronounced. The highest quintile of calcium intake did not further reduce the risk of fractures of any type, or of osteoporosis, but was associated with a higher rate of hip fracture, hazard ratio 1.19 (1.06 to 1.32).

Conclusion Gradual increases in dietary calcium intake above the first quintile in our female population were not associated with further reductions in fracture risk or osteoporosis.


Acesso ao artigo:

BMJ - helping doctors make better decisions

Link alternativo para o artigo completo: http://www.bmj.com/content/342/bmj.d1473.full

Leia também nota do Medline Health Plus:





Publicado originalmente por Leonardo C M Savassi