sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Complicações de Influenza em Pronto-atendimento de Pediatria

Severe Complications in Influenza-like Illnesses


Artigo da Pediatrics de 04 de agosto alerta para possíveis indicadores de maior risco em pediatria. É importante antes de mais nada lembrar que a casuística de um Pronto Atendimento de Hospital terciário não tem validade externa ao se discutir a prevalência de casos complicados em serviços de Atenção Primária.
Os autores avaliaram o desenvolvimento de complicações graves em crianças que apresentam ao Pronto Atendimento (PA) com doença gripal moderada a grave partindo da premissa de que dados sobre complicações da infecção respiratória superior são limitados.

Foi realizado um estudo prospectivo de coorte de crianças de 0 a 19 anos, para um P.A. de hospital de cuidados terciários infantil durante as estações de pico de doenças respiratórias virais entre 2008 e 2010. Os indivíduos incluídos tinham doença gripal moderada a grave, definida pelo desempenho da punção venosa e reação em cadeia da polimerase multiplex nasofaríngea para vírus respiratórios. As complicações graves (insuficiência respiratória, encefalopatia, convulsões, pneumonia, bacteremia, a morte) foram prospectivamente determinados e fatores de risco para complicações graves foram coletadas, incluindo dados demográficos, comorbidades e exposições domésticas.

Houve 241 indivíduos inscritos classificados como crianças com doença gripal moderada a grave; com idade mediana de 27,4 meses variação interquartil 8,9-68,5); 59,3% eram do sexo masculino e 48,5% eram negros. Condições de alto risco estavam presentes em 53,5%. Complicações graves desenvolveram-se em 35,3% (95% intervalo de confiança [IC] 29,3-41,3), mais freqüentemente pneumonia (26,1%). O risco de complicações graves foi maior nos indivíduos com condições neurológicas ou neuromusculares (risco relativo 4,0, IC 95% 1,9-8,2). Nenhum vírus respiratório específico foi associado ao desenvolvimento de complicações graves. Entre os pacientes com gripe, as complicações graves foram maiores com a infecção pelo subtipo H1N1 (risco relativo de 1,45, 95% CI 0,99-2,13, P = 0,048), e estavam em maior risco de pneumonia (risco relativo 4,2, IC 95% 1,2-15,9) .

Os autores concluíram que, em crianças que apresentam a um PA para doença gripal moderada a grave, aqueles com distúrbios neurológicos e doenças neuromusculares estão em risco aumentado para complicações graves. Desenvolvimento de complicações graves não diferiram infectando vírus; contudo, o risco de complicações graves foi maior com o subtipo H1N1 em comparação com outro tipo de gripe.

É importante salientar que não há complicações em 1/3 de todas as crianças com gripe, e sim naquelas com quadro gripal moderado a grave. E que mesmo nessas, apenas uma em cada três evoluiu com complicações relevantes, que parecem estar associadas mais fortemente a problemas neurológicos e doenças neuromusculares.

O artigo está disponível em:




_______________________________
Leia também: Recomendações para uso de Palivizumab como profilaxia para o Vírus Sincicial Respiratório nos primeiros dois anos de vida. Disponível em:





"Updated Recommendations for Palivizumab Prophylaxis During the First 2 Years of Life"

Publicado originalmente por Leonardo C M Savassi em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com