quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Homicídios: principal causa de morte de adolescentes no Brasil. Canal Saúde interativo, sexta (25), às 13h

Perfil da vítima: adolescente, homem, negro e com baixa escolaridade. Canal Saúde debate homicídios na adolescência
   
Assista ao vivo pela NBR ou WEB e ligue 0800 7018122. Antecipe perguntas - canal@fiocruz.br


O Sala de Convidados, do Canal Saúde/Fiocruz, debate homicídios na adolescência, sexta (25), às 13h. Os homicídios respondem por 46% das mortes e é a principal causa de óbitos nessa faixa etária. Em média, são 13 assassinatos por dia, em geral de homens, negros e com baixa escolaridade. Na adolescência, homens têm doze vezes mais chance de morrer que mulheres. Negros, três vezes mais do que brancos. Participe ao vivo.

A equipe do Canal Saúde esteve em Governador Valadares (MG), que tem o segundo maior Índice de Homicídios na Adolescência (IHA) do país, e ouviu os jovens na tentativa de entender o motivo da violência.

Interativo - No programa Sala de Convidados, o público participa ao vivo pela WEB www.canalsaude.fiocruz.br, no chat, ou assistindo pela NBR e ligando 0800 701 8122.
Se preferir, antecipe a participação pelo canal@fiocruz.br

Convidados – Para debater o tema estarão no estúdio representantes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Ignácio Cano; do Instituto de Estudos da Religião (Iser), André Rodrigues; da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, da Presidência da República, Karla Batista; e da ONG Observatório das Favelas.

Custo da violência – No ano de 1980, os homicídios corresponderam a 19,8% do total de mortes por causas externas no Brasil. Já em 2003, essas agressões corresponderam a 40,3%, confirmando a tendência de crescimento. Em 1991, 50,3% das mortes ocorreram por crimes com armas de fogo. Em 2003, esse porcentual subiu para 70,8%.
Os homens são as principais vítimas da violência. Cerca de 70% de todos os homicídios ocorreram em adolescentes e homens de 10 a 39 anos, em sua maioria pobres, com baixa escolaridade e vivendo em periferias das regiões metropolitanas das grandes cidades.
Estima-se que os gastos na área da Saúde em virtude da violência consumam cerca de 3,3% do Produto Interno Bruto Brasileiro. Essa cifra sobe para 10,5% se incluídos os custos indiretos e as transferências de recursos para estados e municípios (Fonte: Ministério da Saúde).

Participe ao vivo com sua opinião. Até lá!


Onde ver – Para saber como assistir a NBR na sua cidade ou obter mais informações sobre a NBR, acesse http://www.ebcservicos.ebc.com.br/veiculos/nbr Para assistir no site do Canal Saúde, acesse <www.canalsaude.fiocruz.br>, clique na TV com a inscrição "ao vivo" e participe a partir do chat associado à transmissão. Se preferir, antecipe suas perguntas: canal@fiocruz.br. O Sala de Convidados é apresentado por Renato Farias.


Fonte:
Assessoria de Comunicação – Canal Saúde/Fiocruz
Marcelo de Castro Neves
(21) 3194-7700 / 3194-7704 / 0800-701-8122 / ascom@fiocruz.br