quinta-feira, 20 de maio de 2010

Estudo questiona o efeito protetor do alcool em baixa dosagem

Relationship between alcohol intake, health and social status and cardiovascular risk factors in the urban Paris-Ile-De-France Cohort: is the cardioprotective action of alcohol a myth?

Estudo publicado no European Journal of Clinical Nutrition (infelizmente não é livre-acesso) questiona o efeito cardioprotetor do alcool. Segundo seus autores, o efeito estaria ligado ao estilo de vida e características sócio-culturais dos bebedores moderados, e não ao efeito do consumo moderado de alcool.

Foram avaliadas as características clínicas e biológicas, incluindo fatores de risco cardiovasculare estado de saúde, de 149 773 indivíduos submetidos ao exame na coorte de um Centro de Prevenção de doenças cardiovasculares (The Urban Paris-Ile-de-France coorte). Os participantes foram divididos em quatro grupos de acordo com o consumo de álcool: nunca, ingesta baixa (inferior ou igual a 10 g/dia), moderada (10-30 g/dia) e alta (> 30 g/dia). os antigos bebedores foram analisados como um grupo separado.

Após ajuste para idade, os bebedores moderados do sexo masculino foram mais propensos a apresentar características clínicas e biológicas associadas com menor risco cardiovascular, incluindo o baixo í
ndice de massa corporal, freqüência cardíaca, pressão de pulso, dosagem de triglicérides em jejum, glicemia de jejum, estresse e escores de depressão, assim como maior estado subjetivo de saúde, função respiratória, status social e atividade física.

Bebedoras moderadas (sexo feminino) também tiveram menor circunferência de cintura, melhor pressão arterial, triglicérides em jejum e LDL-colesterol.
O consumo de álcool estava fortemente associada com o HDL-colesterol em ambos os sexos. A análise multivariada confirmou que os bebedores moderados e leves exibiram melhor estado de saúde do que nunca bebem. Alguns fatores foram caus
almente relacionada à ingestão de álcool.

Assim, os autores concluíram que "os bebedores moderados de álcool apresentam um perfil mais favorável clínicas e biológicas, de acordo com o menor risco cardiovascular, em comparação com os abstêmios e
bebedores pesados. Portanto, o consumo moderado de álcool pode representar um marcador de nível superior social, estado de saúde superior e menor risco CV".

Acesse o abstract (O artigo, como dito, não está disponível em livre-acesso):