quinta-feira, 27 de maio de 2010

Academia Americana de Pediatria recomenda natação para crianças de 1 a 3 anos

AAP GIVES UPDATED ADVICE ON DROWNING PREVENTION

A Academia Americana de Pediatria (AAP) emitiu novas orientações sobre a prevenção de afogamento em crianças, tendo em conta os riscos decorrentes de piscinas infláveis e de novas evidências de que a instrução de segurança pode ser útil para crianças.

Em uma mudança nas orientações anteriores, a AAP não mais faz recomendações contra aulas de natação para crianças com idade entre, 1 a 3 anos porque há novas evidências de que a instrução pode ajudar a evitar algumas crianças se afogando.
Afogamento é a segunda principal causa de morte de crianças com idades entre 1-19 anos, e cerca de 1.100 crianças morreram vítimas de afogamento nos Estados Unidos em 2006. Os meninos e os adolescentes correm maior risco.

"Nem toda criança estará pronta para aprender a nadar com a mesma idade", segundo o autor das recomendações que foram lançadas em 24 de maio online e serão publicadas na edição de julho da revista Pediatrics. "As lições da natação pode ser uma parte importante da proteção global, que deve incluir barreiras nas piscinas e supervisão constante".

Novas evidências demostram que as crianças com idade entre 1 a 4 pode ser menos propensas a se afogar quando tiveram instrução de natação formal. Os estudos são pequenos, e não definem quais são as melhores formas de treinamento, e a AAP não está recomendando aulas de natação obrigatória para todas as idades das crianças 1-4 anos até o momento. Mas a nova orientação recomenda que os pais devem matricular uma criança individual em aulas de natação de acordo com a freqüência da exposição da criança à água, o desenvolvimento emocional, habilidades físicas, e ainda considerando problemas de saúde relacionados às infecções relacionadas a água e produtos químicos da piscina.

A AAP não recomenda programas de natação para crianças menores de 1 ano de idade, pois nenhum estudo científico ainda demonstrou que essas classes sejam eficazes segundo
o documento. Leia:

Recomendações da AAP publicadas na revista Pediatrics

Relatório técnico, também publicado na Pediatrics

Foto: Leonardo Savassi (arquivo pessoal)
AAP mantém a recomendação contra natação em menores de um ano

A AAP apresenta ainda orientação específica para os pais:

1. Nunca - nem por um momento - deixar crianças pequenas sozinhas ou aos cuidados de outra criança, enquanto em banheiras, piscinas, spas e piscinas recreativas, ou perto de valas de irrigação ou água parada. Assentos de banho não pode substituir a supervisão de adultos. Esvaziar baldes de água e outros recipientes imediatamente após o uso. Para evitar afogamentos nas casas de banho, as crianças não devem ser deixados sozinhos no banheiro.
2. Supervisionar de perto as crianças e em torno da água. Com bebês, crianças e maus nadadores, um adulto deve estar na distância de um braço de comprimento. Com crianças mais velhas e bons nadadores um adulto deve se concentrar na criança e não distrair-se com outras atividades.
3. Se as crianças estão fora de casa, perguntar sobre a exposição à água e a proporção de adultos para crianças.
4. Se você tem uma piscina, instale uma cerca de quatro lados de pelo menos 4 metros de altura para limitar o acesso à piscina. A vedação deve ser dura para não ser levantada (não usar correntes) e ter uma trava automática do portão, de fechamento automático. As famílias podem considerar alarmes e piscina com cobertura rígida como níveis adicionais de proteção, mas que também não substituem uma cerca.
5. As crianças precisam aprender a nadar. A AAP recomenda aulas para a maioria das crianças de 4 anos e mais velhas. As aulas podem reduzir o risco de afogamento em crianças menores também, mas considerando-se que as crianças desenvolvem-se em ritmos diferentes, nem todas as crianças estarão prontas para nadar na mesma idade.
6. Os pais, cuidadores e proprietários da associação devem aprender procedimentos de reanimação.
7. Não usar aparelhos de natação do tipo bóias (como braçadeiras insufláveis) no lugar de coletes salva-vidas.
Eles podem esvaziar e não são projetados para manter os nadadores seguros.
8. Todas as crianças devem usar um colete salva-vidas quando andar de barco. As crianças pequenas e não nadadoras também deve usar um em ocasiões em que estiverem à beira da água, como em um rio ou cais.
9.
Os pais devem conhecer a profundidade da água e eventuais riscos subaquáticos antes de permitir que as crianças mergulhem. A primeira vez que você entrar na água, entre com os pés, não mergulhe.
10. Ao escolher um local aberto de água para as crianças nadarem, selecione um com salva-vidas. Os nadadores devem saber o que fazer em caso de correnteza (nadar paralelamente à costa até sair da corrente, então nadar para a costa).
11. Orientar adolescentes sobre o risco de afogamento quando o álcool está envolvido.


Leia o release da Academia Americana de Pediatria:

American Academy of Pediatrics