segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Antivirais em Gravidez precoce não associada com defeitos congênitos

Herpetic Antivirals in Early Pregnancy Not Associated with Birth Defects

Três medicamentos antivirais usados para tratar infecções herpéticas - ainda que tomados no primeiro trimestre de gravidez - não estão associados com um risco aumentado de defeitos congénitos principais, de acordo com um estudo de coorte na Dinamarca.

O estudo, que aparece no Journal of the American Medical Association (JAMA), encontrou uma incidência semelhante de defeitos maiores (cerca de 2%) em fetos não expostos e expostos. As drogas foram aciclovir, valaciclovir e famciclovir.

Trata-se de um estudo de coorte de base populacional histórico de 837 795 bebês nascidos vivos na Dinamarca, de 01 de janeiro de 1996, de 30 de setembro de 2008.

Os participantes não tinham diagnóstico de aberrações cromossômicas, síndromes genéticas, síndromes defeito congénito com causas conhecidas, congénita ou infecções virais. Registros nacionais foram utilizados para verificar a informação de nível individual de dispensação de antivirais, diagnósticos de defeitos de nascimento (classificados de acordo com um esquema padronizado), e possíveis fatores de confusão.

O desfecho principal medido foi a prevalência de razão de chances (odds ratio ) de qualquer defeito de nascença principal diagnosticado no primeiro ano de vida por exposição a drogas antivirais.

Entre 1804 gestantes expostas ao aciclovir, valaciclovir ou famciclovir no primeiro trimestre, 40 crianças (2,2%) foram diagnosticados com um defeito congênito importante, comparado com 19.920 (2,4%) na prevalência de razão de chances (não-expostos ajustados, 0,89; intervalo de confiança 95% [IC], 0,65-1,22).

Quanto a cada antiviral individualmente, um defeito congênito importante foi diagnosticado em 32 das 1.561 crianças (2,0%) com exposição no primeiro trimestre de aciclovir (prevalência de razão de chances ajustada, 0,82, 95% CI, 0,57-1,17) e em 7 de 229 crianças (3,1%) com a exposição no primeiro trimestre de valaciclovir (prevalência de razão de chances ajustada, 1,21; 95% CI, 0,56-2,62). A exposição Famciclovir foi incomum (n = 26), com uma criança (3,8%) com diagnóstico de defeito de nascença.

Análises preliminares não revelaram associação entre a exposição ao antiviral e 13 diferentes subgrupos de defeitos de nascença, mas o número de casos expostos em cada subgrupo foi pequeno.

A despeito do pequeno número de fetos expostos ao valaciclovir e famciclovir, o estudo amplia as evidências acerda da segurança do aciclovir.

Acesso ao artigo (livre acesso):


Deixe o seu comentário