segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Posição prona do sono ligada a maior risco de morte súbita em epilepsia

Association of prone position with sudden unexpected death in epilepsy

Systematic review and meta-analysis

Dormir de barriga para baixo pode aumentar o risco de morte súbita, em pessoas epilepsia. A morte súbita nas epilepsias (SUDEP) é mais comum quando os pacientes estão em decúbito ventral, de acordo com uma meta-análise. Pesquisadores vêem semelhanças com a síndrome da morte súbita infantil. Os resultados foram publicados on-line 21 de janeiro na revista Neurology.


Entenda:

Tecnicamente, a morte súbita e inesperada na epilepsia ocorre quando uma pessoa saudável morre e os dados da autópsia não apontam nenhuma causa estrutural ou toxicológica clara de morte em pessoas comprovadamente vivendo com epilepsia.

Epilepsia por sua vez é uma condição crônica, uma síndrome manifesta por distúrbios epiléticos recorrentes, e várias apresentações, sendo as convulsões apenas uma das manifestações desse complexo sintomático, podendo inclusive ocorrer posteriormente ao início das manifestações da síndrome epilética (Ver apresentação ao final).

A morte súbita por epilepsia é uma ocorrência rara, sendo mais comum em pessoas cuja epilepsia é cronicamente descontrolada, e  geralmente ocorre durante o sono. A epilepsia afeta cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo, e provavelmente 0,3% delas morrem inesperadamente, das quais cerca de 70% (ou 0,21% do total de pessoas afetadas pela doença) morrem durante o sono.

O novo estudo lança mais luz sobre algo que os neurologistas já suspeitavam: o risco de morte súbita parece estar relacionado a dormir na posição prona - ou seja - de bruços. Com isto, os profissionais que atendem pessoas vivendo com epilepsia, em especial as descontroladas, tem um novo item em suas recomendações individuais e coletivas: essas pessoas devem evitar dormir de bruços. 


Saiba mais:
Medicina de Familia: Diretrizes - Epilepsia - Ministério da Saúde
Medicina de Familia: Anti-epiléticos e suicídio
Medicina de Familia: Consenso Espanhol diagnóstico e tratamento do 1o caso de epilepsia


O que este estudo acrescenta:

Os autores descobriram que dormir de bruços é um risco significativo para a morte súbita e inesperada em epilepsia, particularmente em pacientes com idade inferior a 40 anos.

Para as pessoas com epilepsia, breves interrupções de atividade elétrica no cérebro levam a crises recorrentes.

Não está claro por que dormir de bruços está ligada a um maior risco de morte súbita, mas a descoberta faz paralelos com a síndrome da morte súbita infantil (SIDS). Provavelmente a SIDS ocorre porque os bebês são incapazes de acordar, se a respiração é interrompida. Em adultos com epilepsia, as pessoas de bruços podem ter uma obstrução das vias aéreas e ser incapazes de levantar-se.

A revisão incluiu 25 estudos publicados anteriormente que detalharam 253 mortes súbitas, inexplicáveis de pacientes com epilepsia, para quem havia informações disponíveis sobre a posição do corpo no momento da morte. Desses, 73% morreram provavelmente quando dormiam de bruços pois foram encontrados mortos nessa posição.

Em um subgrupo de 88 casos, os menores de 40 anos de idade eram quatro vezes mais propensos a morrer em uma posição de bruços do que as pessoas mais velhas. No total, 86 por cento dos menores de 40 e 60 por cento das pessoas com mais de 40 estavam de bruços quando foram encontrados mortos.

Onze mortes ocorreram durante o monitoramento de vídeo eletroencefalograma e destes, todos os pacientes morreram na posição prona (após crises tônico-clônicas generalizadas).

O estudo apresenta limitações. Por exemplo, não pode dizer por que a morte súbita é mais comum em pacientes mais jovens porque por exemplo talvez eles fossem mais propensos a ser solteiros e portanto sem um parceiro na cama para despertá-los durante o ataque. Ou seja, não se trata de uma relação causa-efeito, e sim uma associação. Outro ponto é que para a maioria dos casos, não se sabe se eles estavam dormindo de bruços quando uma crise se iniciou ou se voltaram-se para essa posição na aura ou no período intercrise/ pós-comicial .

Uma das possibilidades de orientação centrada nas pessoas com epilepsia deve ser a de tentar dormir de lado ou em posição supina, ou pedir seu parceiro de cama para lembrá-las disto. Outra opção seria usar relógios de pulso e alarmes na cama projetados para detectar ataques durante o sono para prevenir a morte súbita, ou até mesmo colocar algum objeto (como uma bola) no bolso da frente da camisa do pijama.


Leia o Abstract traduzido:
Objetivo: Examinar a associação entre posição prona e morte súbita em epilepsia (SUDEP).
Métodos: Foi realizada uma revisão sistemática e meta-análise com base em uma pesquisa bibliográfica a partir das bases de dados PubMed, Web of Science e Scopus, usando palavras-chave "SUDEP" ou "morte súbita nas epilepsias" ou "súbitas síndromes morte inexplicada na epilepsia". Vinte e cinco publicações preencheram os critérios de inclusão e exclusão e foram incluídas neste estudo.
Resultados: As posições corporais foram documentadas em 253 casos de SUDEP. Destes pacientes, 73,3% (intervalo de confiança de 95% [IC] = 65,7%, 80,9%) morreram em decúbito ventral, ao passo que 26,7% (IC 95% = 16,3%, 37,1%) morreram em posições não-pronas. Análise binária de efeitos aleatórios mostraram que a posição prona está significativamente associado à SUDEP, em comparação com a posição não-prona (p < 0,001). Além disso, a posição prona foi relatada em todos os 11 casos de SUDEP monitorados por vídeo-EEG. Além disso, em um subgrupo de 88 casos de SUDEP no qual a demografia e as circunstâncias da morte foram documentadas, a posição prona foi observada em 85,7% (IC 95% = 74,6%, 93,3%) dos pacientes com 40 anos ou mais jovens, mas em apenas 60% (IC 95% = 38,7%, 78,9%) de pacientes com mais de 40 anos. A análise estatística confirmou que a posição prona foi significativamente mais prevalente no grupo de pacientes mais jovens, em comparação com o grupo de pacientes mais velhos (odds ratio 3,9; IC95% = 1,4%, 11,4%; p = 0,009).
Conclusão: Há uma associação significativa entre a posição prona e SUDEP, o que sugere que a posição prona é um importante fator de risco para SUDEP, particularmente em pacientes com 40 anos ou mais jovens. Como tal, SUDEP pode partilhar mecanismos semelhantes à síndrome da morte súbita infantil (SIDS).
Recebido em 6 de abril de 2014.Aceito na forma final em 15 de outubro de 2014.Publicado em 21 de janeiro de 2015

Veja uma aula selecionada sobre o tema:





Acesse:

Artigo na Neurology (abstract livre) 


Publicado originalmente por Leonardo C M Savassi em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com