terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Berços/ carrinhos/ cercadinhos e danos associados.

Lesões associadas berços, carrinhos de bebê e cercadinhos entre as crianças estadunidenses, 1990-2008

Center for Injury Research and Policy, The Research Institute at Nationwide Children's Hospital, Columbus, Ohio;
Department of Pediatrics,The Ohio State University, College of Medicine, Columbus, Ohio


Berços e cercados para crianças precisam de alterações de segurança e design, de acordo com uma revisão de dados de emergência por 19 anos publicado na revista Pediatrics.

Os autores escrevem que a taxa de acidentes - cerca de 12 por 10.000 crianças-ano, ou cerca de 25 por dia - "representa um nível inaceitável de risco, destacando a necessidade de melhorias contínuas no design de produto, especialmente para prevenir quedas de berços".

Autores apontam para alterações no design de berços e carrinhos.


Como o objetivo de descrever a epidemiologia das lesões relacionadas com berços, carrinhos, e cercadinhos entre as crianças nos Estados Unidos, foi conduzida uma análise retrospectiva com dados do National Electronic Injury Surveillance System para crianças menores de 2 anos de idade, tratadas em departamentos de emergência nos Estados Unidos de 1990 a 2008 para danos associados com berços, cercadinhos e carrinhos de bebê.

Os autores encontraram 181 654 (95% intervalo de confiança: 148 548-214 761) crianças menores de 2 anos de idade tratadas nos departamentos de emergência nos Estados Unidos por danos relacionados com berços e carrinhos no período de estudo de 19 anos. Houve uma média de 9.561 casos por ano ou uma média de 12,1 acidentes por cada 10 000 crianças menores de 2 anos por ano. A maioria dos acidentes envolveu berços (83,2%), seguido por carrinhos de bebê (12,6%) e os cercadinhos (4,2%). O mecanismo de trauma mais comum foi a queda de um berço, cercadinho ou carrinho, o que representa 66,2% das lesões. lesões tecidos moles compreendeu o diagnóstico mais comum (34,1%), ea região corporal mais lesada foi a cabeça ou no pescoço (40,3%). Pacientes com fraturas foram internados 14,0% do tempo, tornando-se 5,45 (intervalo de confiança 95%: 3,80-7,80) vezes mais chances de serem hospitalizados do que pacientes com outros tipos de lesões. Crianças menores de 6 meses foram de 2,97 (intervalo de confiança de 95%: 2,07-4,24) vezes mais chances de serem hospitalizados do que as crianças mais velhas.

Este estudo é o primeiro a utilizar uma amostra nacional representativa para examinar os ferimentos associados com berços, carrinhos e cercadinhos. Dado o número sempre elevado de lesões observadas, os autores consideram que são necessários maiores esforços para garantir a segurança na concepção e fabricação destes produtos, garantir a sua correta utilização em casa, e aumentar a consciência dos seus perigos potenciais para as crianças.

Acesso ao artigo da pediatrics:






Publicado por Leonardo C M Savassi originalmente em http://medicinadefamiliabr.blogspot.com/