sexta-feira, 15 de julho de 2011

AAS x prevenção cardiovascular primária


Effect of Aspirin on Mortality in the Primary Prevention of Cardiovascular Disease


Uma atualização de meta-análise feita a partir de estudos randomizados controlados descobriram que a aspirina impede a morte, infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral isquêmico, mas aumenta o acidente vascular cerebral hemorrágico e grandes sangramentos, quando utilizado na prevenção primária da doença cardiovascular. O estudo está publicado no American Journal of Medicine.


É interessante observar que nos benefícios mortalidade e infarto agudo do miocárdio, o intervalo de confiança do risco relativo vai até 1,00, ou seja, estatisticamente pode ser nulo. Já os danos tem todos intervalo de confiança acima de 1,01, em especial de grandes sangramentos e hemorragia gastrointestinal. Será que, ao incluir novos estudos, corremos o risco de ver os benefícios da aspirina para mortalidade geral e IAM serem não comprovados?

Leia a tradução do resumo:

Objetivo
A falta de benefícios de mortalidade relacionados a aspirina em meta-análises prévias de ensaios sobre a prevenção primária da doença cardiovascular tem contribuído para a incerteza sobre o equilíbrio entre benefícios e riscos da aspirina na prevenção primária. Foi realizada uma atualização desta meta-análise de estudos randomizados controlados de aspirina para obter melhores estimativas do efeito da aspirina sobre a mortalidade em prevenção primária.

Métodos

Artigos elegíveis foram identificados em bases de dados eletrônicos e listas de referência. Os desfechos de interesse pesquisados foram: mortalidade por qualquer causa, morte cardiovascular, infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e hemorragia. Os dados foram obtidos a partir de testes individuais, utilizando o modelo DerSimonian-Laird de efeitos aleatórios, e os resultados são apresentados como risco relativo (RR) e intervalos de confiança de 95% (CI).

Resultados
Nove estudos randomizados e controlados com 100.076 participantes foram incluídos. A aspirina reduziu a mortalidade (RR 0,94; 95% CI, 0,88-1,00), infarto do miocárdio (RR 0,83; 95% CI, 0,69-1,00), acidente vascular cerebral isquêmico (RR 0,86; 95% CI, 0,75-0,98), e o misto de infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral ou morte cardiovascular (RR 0,88; 95% CI, 0,83-0,94), mas não reduziu a mortalidade cardiovascular (RR 0,96; 95% CI, 0,84-1,09). A aspirina aumenta o risco de acidente vascular cerebral hemorrágico (RR 1,36; 95% CI, 1,01-1,82), sangramento maior (RR 1,66; 95% CI, 1,41-1,95) e sangramento gastrointestinal (RR 1,37; 95% CI, 1,15-1,62) . A falta de disponibilidade de dados do paciente em nível de exploração impediu a análise de benefícios e riscos da aspirina em subgrupos chave.

Conclusão
A aspirina impede mortes, infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral isquêmico, e aumenta o acidente vascular cerebral hemorrágico e as principais hemorragias quando usado na prevenção primária da doença cardiovascular.

Livre acesso ao artigo: