segunda-feira, 25 de julho de 2011

Carta de Gusso, Guerváz e Mercedez ao The Lancet

Brazilian health-service organisation: problems at a glance

A série The Lancet sobre Brasil abrange quase todos os campos importantes para a saúde: a política de saúde, violência, doenças infecciosas, doenças crônicas não-transmissíveis e saúde materna e infantil. Mas no geral dá uma visão parcial de um país pobre com um sistema de saúde com base em programas verticais.

Na série está faltando, pelo menos, um artigo sobre a teoria da atenção primária e como ela está sendo trabalhada no Brasil e um artigo sobre organização dos serviços de saúde em geral. Tais artigos podem cobrir a distribuição geográfica desigual dos médicos (por exemplo, um por 574 habitantes na capital do estado do Amazonas, Manaus, em comparação com um por 9000 no resto do Amazonas), ou a má acessibilidade dos centros de saúde forçando pacientes para visitar a serviços de urgência sem a continuidade dos cuidados.

Perguntas que permanecem sem resposta são: a sociedade brasileira quer um sistema de saúde público universal; os membros das classes média e alta do Brasil sabe a importância de um sistema de saúde público forte; são políticas brasileiras a promoção de um sistema público de saúde para os pobres e um outro privado para o resto da população?

Um obstáculo principal a estas perguntas é a pressão sobre os epidemiologistas, gestores e acadêmicos para coletar dados de forma vertical. No entanto, a violência não pode ser vista como separada da doença infecciosa, da mortalidade materna, da toxicodependência, ou do desemprego. A Estratégia Saúde da Família, citada na maioria dos trabalhos da série, tem sido um veículo através do qual muitas ações verticais já foram integradas, e os resultados têm sido bem estudados. O que os leitores realmente precisam saber são os obstáculos para ir mais longe nesta respeito.

O resultado da série The Lancet é uma coleção de dados de saúde excelente mas vazia de mensagens relevantes para a tomada de decisões em torno da política de organização da saúde . Há a necessidade de entender a saúde no Brasil em termos das melhores respostas para os problemas dos serviços de saúde

Acesse a carta:










Leia também:

Publicado originalmente por Leonardo C M Savassi