segunda-feira, 5 de outubro de 2009

Pacientes hiperutilizadores com sintomas médicos inexplicados

In their own words: qualitative study of high-utilising primary care patients with medically unexplained symptoms

Pacientes hiperutilizadores da atenção primária com sintomas inexplicados (MUS), frustram seus prestadores de cuidados primários. Estudos que elucidam as atitudes destes pacientes pode ajudar a aumentar a compreensão e melhorar a confiança dos médicos que cuidam deles. O objetivo deste estudo foi descrever e analisar as percepções e experiências de vida de pacientes com alta utilização de cuidados primários com MUS.

Métodos:A mostra intencional de 19 pacientes hiperutilizadores de cuidados primários para os quais pelo menos 50% (69,6% nesta amostra) de visitas durante dois anos foram medicamente inexplicadas, foram incentivados a falar espontaneamente sobre si e responder a questões semi-estruturadas. Transcrições integrais das entrevistas foram analisados usando um processo interativo de construção de consenso.

Resultados: Pacientes com MUS quase universalmente descreveram disfunção familiar em curso e /ou passada e foram submetidos a testes excessivos e a tratamentos empíricos ineficazes. Três grupos distintos surgiram a partir dos dados: 1) Alguns pacientes, que tinham atingido um grau significativo de introspecção psicológica e tiveram sucesso na vida, primariamente procuraram explicações para seus sintomas. 2) Os pacientes que tiveram uma menor introspecção psicológica foram mais debilitados por seus sintomas e sentiram-se fortemente no direito de ser dispensados das obrigações sociais habituais. Normalmente, esses pacientes procuraram principalmente o alívio dos sintomas, legitimação e apoio. 3) Pacientes que manifestaram a sua preocupação sobre a falta de diagnósticos exigiu cuidados excessivos e queixaram-se de resistência as suas exigências.

Conclusões : pacientes hiperutilizadores de cuidados primários são um grupo heterogêneo com experiências semelhantes e diferentes percepções, comportamentos e necessidades. Reconhecer essas diferenças pode ser fundamental para um tratamento eficaz e redução da utilização.